Saúde do couro cabeludo

Intolerância ao glúten e queda de cabelo

Qual a relação entre ambos?

04/12/2015 por Drª Anaflávia Oliveira

folyic-blog-anaflávia-oliveira-intolerância-ao-glúten-e-queda-capilar-imagem-capa
folyic-blog-anaflávia-oliveira-intolerância-ao-glúten-e-queda-capilar-imagem-capa

04/12/2015

Intolerância ao glúten e queda de cabelo

Qual a relação entre ambos?

por Drª Anaflávia Oliveira

0

Oi Pessoal, estou de volta! E o tema que escolhi hoje foi de um texto meu que fez muito sucesso ano passado; foi o texto mais lido em alguns sites que escrevo. Falarei sobre a relação da intolerância ao glúten e doença celíaca com a queda capilar? Resolvi compartilhar meus conhecimentos sobre este tema com vocês, pois ainda existe muita confusão até mesmo entre os profissionais de saúde. Percebo frequentemente, que muitos não associam a doença celíaca às quedas capilares. Se você tem restrições quanto ao glúten, fique atento também à saúde de seu cabelo: Está caindo? Perdeu volume dos cabelos? Seu fio de cabelo está afinando há algum tempo? Pode ser um sinal de que o glúten também está afetando seus cabelos.

As condições abaixo podem ocorrer com maior frequência em pacientes que já possuem problemas de saúde relacionados ao glúten do que na população normal:

  • Eflúvio Telógeno Crônico (queda difusa do cabelo): Isso ocorre por deficiência na absorção de diversos nutrientes no intestino importantes para a fase de crescimento (fase anágena) e desenvolvimento (espessamento) dos fios. Ou seja, você pode ter uma alimentação saudável e rica em nutrientes, mas caso não haja uma absorção adequada no intestino, o nutriente não chegará às células do folículo piloso o que acabará prejudicando todo seu sistema metabólico. O mecanismo dessa alteração é pelo fato de que o glúten causa uma inflamação crônica da parede intestinal provocando alteração da permeabilidade intestinal e assim prejudica todo o mecanismo de absorção.
Veja como o glúten causa alteração da parede intestinal, diminuição da absorção de nutrientes e consequentemente a queda de cabelo. Fonte da imagem: http://www.brasilescola.com

Veja como o glúten causa alteração da parede intestinal, diminuição da absorção de nutrientes e consequentemente a queda de cabelo. Fonte da imagem: http://www.brasilescola.com

  • Alopecia Areata (popularmente chamada de pelada; placas de alopecias no couro cabeludo): De origem autoimune. Na polulação normal, a incidência é em torno de 0,7 a 1% e nos celíacos/intolerantes sobe para 3,8% de casos dessa alopecia. Há pouco tempo, foram publicadas muitas pesquisas italianas mostrando a recente associação da DC (doença celíaca/intolerância) com Alopecia Areata. O mecanismo dessa alteração é pelo fato da inflamação crônica da parede intestinal de longa data causar “falhas” na parede do intestino, que além de diminuir a absorção de nutrientes também aumenta a penetração de substâncias tóxicas e alérgicas. O sistema de defesa é ativado e inicia a produção de complexos antígeno-anticorpo que atacam estruturas saudáveis, como por exemplo o folículo piloso, o que causa esse tipo de alopecia.
  • Outras alterações: Diarreia com fezes fétidas, claras, volumosas, com ou sem gotas de gordura ou prisão de ventre; edema nas pernas, anemia, diminuição da fertilidade, sinais de desnutrição, flatulência, irritabilidade, distensão abdominal, dor abdominal, osteoporose e outras alterações dermatológicas de pele e mucosas (dermatite herpetiforme, urticária crônica, angioedema hereditário, vasculites, dermatite atópica, psoríase, doença de behcet, líquen plano, lúpus eritematoso, dermatomiosite, doenças bolhosas, eritema nodoso, eritema elevatum diutinum).

Os sinais e sintomas podem iniciar na infância ou já na fase adulta. Além disso, têm intensidades muito variáveis, podendo ser graves em alguns pacientes e quadros muito leves em outros sendo que, neste último caso, as pessoas geralmente ignoram os sinais e sintomas, relatando “ah, isso é normal” ou “sou assim mesmo, sempre tive isso”. Muitos apresentam a doença e não sabem e por isso, o diagnóstico torna-se mais difícil.

A doença celíaca (DC) que há poucos anos achava-se ser rara, grave em seus sintomas e com acometimento basicamente em crianças, mostrou nos estudos das últimas décadas ser uma doença relativamente comum, atingindo cerca de 1 a 2% da população. Então, se você tem mais de 2 desses sintomas, mesmo que leves, minha orientação é que procure um médico para que este inicie a investigação. O diagnóstico não é fácil, e muitas vezes faz-se necessária a prova terapêutica. As orientações após o diagnóstico não são simples e deve haver um acompanhamento com o médico e nutricionista, em conjunto.

Para entender melhor o mecanismo da Intolerância ao Glúten, recomendo que assistam ao vídeo a seguir:

Abaixo, coloquei algumas informações extras e mais técnicas para quem quer se aprofundar no assunto:

Mais comentários dos estudos científicos sobre Intolerância ao Glúten e Doença Celíaca

  • Ambas têm origem autoimune (desregulação de linfócitos T);
  • A alteração da permeabilidade da mucosa intestinal nos intolerantes ao glúten leva ao aumento na absorção de várias substâncias (antígenos) capazes de desencadear uma reação imunológica, causando a alopecia areata (formação de anticorpos com a capacidade de destruir o folículo piloso).

O fato curioso é que os pacientes relatados no estudo que não respondiam ao tratamento tradicional da alopecia, foram beneficiados com a dieta livre de glúten feita por meses. Começaram a repilar desde então (crescimento de fios no couro cabeludo) e esse fato mostra que não pode ser ignorada a forte relação entre as duas condições. Porém, ainda há divergências porque alguns trabalhos mostraram que certos indivíduos não responderam com a dieta livre de glúten. Ainda não sabemos dizer o porquê dessas diferenças nas respostas, mas já existem justificativas consideráveis para iniciarmos a pesquisa de DC (doença celíaca) nos pacientes portadores de AA (alopecia areata) e se for o caso, pensarmos na possibilidade de exclusão do glúten nesses pacientes.

Muito obrigada e espero ter sido útil a vocês!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  1. J. Paediatr. Child Health (2003) 152–154
    Coeliac disease and alopecia areata in childhood.
    S FESSATOU, M KOSTAKI and T KARPATHIOS
    Second Department of Pediatrics, ‘P & A Kyriakou’, Children’s Hospital and Second Department of Pediatrics, University of Athens, Athens, Greece
  2. Alopecia areata and Coeliac Disease: No Effect of a Gluten-Free Diet on Hair.
    Growth Maria Teresa Bardellaa Roberta Marinoa Mauro Barbareschib Fernando Bianchib Giovanni Fagliac Paolo Bianchia aIstituto di Scienze Mediche, bIstituto di Scienze Dermatologiche e cIstituto di Scienze Endocrine,
    IRCCS Ospedale Maggiore, Università di Milano, Italia
    Received: August 4, 1999
  3. Celiac Disease and Dermatologic Manifestations: Many Skin Clue to Unfold Gluten-Sensitive Enteropathy.
    Marzia Caproni,1 Veronica Bonciolini,1 Antonietta D’Errico, Emiliano Antiga,1, 2 and Paolo Fabbri1
    1Division of Dermatology, Department of Medical and Surgical Critical Care, University of Florence, 50129 Florence, ItalyDepartment of Clinical Physiopathology, University of Florence, 50139 Florence, Italy
  4. Celiac disease.
    Luis Rodrigo, Gastroenterology Service, University Hospital Central Asturias, Oviedo, Spain
    Service, Hospital Universitario Central de Asturias, c/ Celestino Villamil s. nº. 33.006. Oviedo, Spain
  5. Current Concepts of Celiac Disease Pathogenesis.
    DETLEF SCHUPPAN, First Department of Medicine, University of Erlangen-Nuernberg, Erlangen, Germany
  6. Cutaneous manifestations in celiac disease.
    World J Gastroenterol 2006 February 14; 12(6): 843-852 World Journal of Gastroenterology ISSN 1007-9327
    L Abenavoli, I Proietti, L Leggio, A Ferrulli, L Vonghia, R Capizzi, M Rotoli, PL Amerio, G Gasbarrini, G Addolorato L Abenavoli, L Leggio, A Ferrulli, L Vonghia, G Gasbarrini, G Addolorato, Institute of Internal Medicine, Università Cattolica
    del Sacro Cuore, Rome, Italy I Proietti, R Capizzi, M Rotoli, PL Amerio, Institute of Dermatology, Università Cattolica del Sacro Cuore, Rome, Italy
  7. The Many Faces of Celiac Disease: Clinical Presentation of Celiac Disease in the Adult Population, PETER H. R. GREEN, Celiac Disease Center at Columbia University, Columbia University Medical Center, New York, New York GASTROENTEROLOGY 2005;128:S74–S78
  8. Issues related to gluten-free diet in coeliac disease.
    Riccardo Troncone, Renata Auricchio and Viviana Granata Department of Pediatrics and European Laboratory for the Investigation of Food-Induced Diseases, University Federico II, Naples, Italy
    Department of Pediatrics and European Laboratory for the Investigation of Food-Induced Diseases, University