Saúde do couro cabeludo

Finasterida e seus Efeitos Colaterais

28/07/2017 por Drª Anaflávia Oliveira

finasterida
finasterida

28/07/2017

Finasterida e seus Efeitos Colaterais

por Drª Anaflávia Oliveira

0

UM DOS TRATAMENTOS PARA CALVÍCIE

Oi Pessoal,

Gostaria de compartilhar com vocês um pouco da minha vivência no consultório e de estudos sobre a calvície. A alopecia androgenética, conhecida popularmente como calvície, é uma das alopecias mais comuns. Todos os dias atendo pacientes com esse diagnostico e as dúvidas e comentários são comuns e se apresentam de uma forma muito semelhante quando o assunto é a finasterida.

“Dra, quais os efeitos colaterais da finasterida ?”

“Dra, não quero tomar finasterida”

Dra, não me adaptei bem com a finasterida”

“Dra, tomo finasterida há muito tempo, mas parou de funcionar”

“Dra, tomo finasterida há muito tempo, mas fico preocupado, tenho medo”

Dra, o que pode acontecer quando toma finasterida há muito tempo?”

São perguntas pertinentes e fico um tanto entusiasmada pelo fato dos pacientes prestarem mais atenção em seu corpo, sua saúde e se questionarem mais. Isso me agrada, pois nosso corpo tem uma linguagem que fala constantemente conosco, nos avisando quando algo não vai bem, mas na correria, fazemos questão de silenciar seus avisos que muitas vezes vem de uma forma muito sutil. Ignoramos, afinal, temos muito “mais coisa para fazer”.

Enfim, a finasterida pode ter alguns efeitos colaterais que não podem ser ignorados. Na bula, a taxa de efeitos colaterais relatada é muito baixa, em torno de 1,5%, sendo o mais comum diminuição de libido. Na prática clínica, percebo que a incidência é um pouco maior. Muitos se queixam dos efeitos colaterais com o uso da medicação o que vai de encontro com a revisão de literatura que fiz recentemente sobre o assunto em revistas e jornais científicos demonstrando que realmente a incidência é maior do que o relatado na bula do medicamento. Não há um consenso, pois a incidência variou muito (1 a 30%) mesmo entre os estudos com alto nível de evidência científica. Algumas variáveis são dose utilizada, tempo de uso, queixa avaliada e a metodologia aplicada no estudo.

Abaixo, alguns dos efeitos colaterais da finasterida na revisão de literatura realizada:

  • Diminuição de libido
  • Dificuldade ereção
  • Diminuição da contagem de espermatozóides
  • Ginecomastia
  • Fadiga
  • Ansiedade
  • Depressão

Algumas considerações importantes sobre o uso de finasterida:

  • Um ponto para ser ressaltado é sobre o medo que se instala na internet (sempre dá ibope né?!) levando ao efeito nocebo (aparecimento de um efeito colateral estimulado pelas informações negativas sobre determinado medicamento ou procedimento). Vocês podem duvidar, mas isso é algo relativamente comum. Sua mente é capaz de curar ou adoecer seu corpo. Seu corpo vai obedecer ao seu comando. (gostaria de falar mais sobre esse assunto, mas prometo falar em outras oportunidades).
  • Sobre os efeitos secundários permanentes e irreversíveis associados aos 5αRI mostra que os efeitos colaterais sexuais foram documentados apenas em estudos de baixa qualidade com forte viés. O único estudo de alta qualidade que documenta os efeitos colaterais sexuais persistentes mostrou que estes eram mais freqüentes no placebo do que no grupo de tratamento, o que implica que os efeitos não estavam necessariamente relacionados ao tratamento.
  • Entender o estilo de vida incluindo hábitos alimentares, sono, grau de estresse e a própria saúde mental e emocional do paciente são importantes já que muitas vezes, a causa não está no medicamento em si. Em alguns casos, pode ser mera coincidência e o bom médico juntamente com o paciente saberão diferenciar uma situação da outra.
  • Enfim, quando o assunto é efeitos colaterais da finasterida, cabe ao médico durante a consulta avaliar cada caso individualmente levando em consideração a história do paciente, seu metabolismo, susceptibilidades e exames laboratoriais para decidir sobre seu uso considerando também a opinião e queixas do paciente. Graças aos avanços da medicina e da tecnologia, temos outros recursos disponíveis para tratar os problemas capilares atualmente. Converse com seu tricologista.

Mais um aviso: Não façam a auto-medicação! (infelizmente, algo muito comum). Seu corpo é seu maior bem e negligenciar sua saúde é algo perigoso. Sou muito criteriosa ao introduzir e propor um plano de tratamento para qualquer pessoa e por isso aquele costume que muitos tem “o que posso tomar para isso? “Isso é bom ?” “Posso tomar?” é algo que me deixa um tanto incomodada. Nada substitui uma consulta e uma avaliação bem feita.

Tenham um bom dia!

Informação também é luz. Compartilhe com quem pode ser beneficiado com essa informação :)

Referência Bibliográfica (Artigo principal):

  • Investigation of the Plausibility of 5-Alpha-Reductase Inhibitor Syndrome, USA Skin Appendage Disord 2016;2:120 129, setembro 2016 . Raymond Fertiga Jerry Shapirob Wilma Bergfeldc, d Antonella Tostia Department of Dermatology and Cutaneous Surgery, University of Miami, Miller School of Medicine, Miami, Fla., The Ronald O. Perelman Department of Dermatology, New York University School of Medicine, New York, N.Y., and Departments of c Dermatology and d Pathology, Dermatopathology Fellowship, Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio.