Saúde do couro cabeludo

QUEDA CAPILAR PATOLÓGICA

02/10/2018 por Dra. Larissa Pitombeira

FOLYIC - Queda Capilar Patológica
FOLYIC - Queda Capilar Patológica

02/10/2018

QUEDA CAPILAR PATOLÓGICA

por Dra. Larissa Pitombeira

0

COMO SABER SE A QUEDA ESTÁ NORMAL OU NÃO? QUAIS AS CAUSAS MAIS COMUNS?

O Eflúvio Telógeno é uma causa muito comum de queda de cabelo e está caracterizada pela perda excessiva diária em todo o couro cabeludo.

Pode afetar tanto a mulher, quanto o homem e o mais interessante é que esse tipo de queda pode estar associada a situações cotidianas, que não são dadas como importantes, mas que influenciam diretamente no crescimento dos fios.

Esse processo acontece pela interrupção da fase anágena, que é a fase do crescimento do fio, antecipando a fase do desprendimento do fio, que denominamos como fase telógena.

Por isso que essa condição leva esse nome.

É comum recebermos os pacientes relatando que os fios ficam mais evidentes no travesseiro, no ralo do banheiro, no chão de casa e alguns chegam até levar os cabelos para os médicos, o quão se sentem preocupados.

Dentre as possíveis causas, podemos dividir em auto-limitada ou permanente.

Quando chamamos de auto-limitada, significa que é aquele quadro que se resolverá naturalmente e que essa queda começará a incomodar após 2 a 3 meses do evento causador. Como por exemplo: Pós-parto, Cirurgias, Febre alta (comuns em infeções virais), Dietas rigorosas ou restritivas, Uso de alguns medicamentos, Pausa no uso de medicações e Estresses severos de grande impacto (mortes, separações, perdas e mudanças).

Já no grupo de queda capilar difusa permanente, correlacionamos com alterações metabólicas, hormonais, (como hipotiroidismo), problemas renais, hepáticos, estresse continuado, deficiência de vitaminas e minerais e uso de medicações contínuas. Neste caso, enquanto não for corrigida a causa, a queda excessiva persistirá.

Então, é de grande valia saber em que grupo você se encaixa. E tem mais: pode ser, ainda, que você esteja incluso nos dois grupos.

Por isso, é recomendada uma criteriosa avaliação, com uma boa anamnese, dermatoscopia do couro cabeludo, exames laboratoriais e, se houver necessidade, uma biópsia.

A notícia boa é que esse tipo de queda capilar é a mais benigna de todas e apesar de levar a uma perda muito grande no volume do cabelo, não deixa os pacientes carecas!

O tratamento consiste em corrigir as possíveis causas associando um tratamento que inclui suplementação oral e loções tópicas, com vitaminas, nutritivos, além dos procedimentos com infusão de ativos no couro cabeludo para otimizar o resultado.

Por isso, agende uma consulta com o médico que cuida de cabelos, tire suas dúvidas e lembre-se de que seus cabelos são grandes marcadores de como anda sua saúde física e mental.